“O Cara do Sistema”

E aí, precisamos do “CIO” ou o “Cara do Sistema” na nossa Indústria?

Quando falamos de CEO, CFO, CIO e outras siglas corporativas, nos referimos aos principais altos cargos de uma organização. Cabe esclarecer que há uma grande diferença entre CEO e CIO embora as siglas sejam parecidas.

O CIO (Chief Information Officer) – que é o objeto deste artigo, é o Diretor de Informação ou o Chefe da Tecnologia da Informação. É o especialista focado na solução tecnológica, responsável pela área de Tecnologia da Informação e cuidador de todas as informações das operações do negócio.

Este artigo trata a importância do CIO em uma organização dando um enfoque ainda mais relevante para muitos negócios, chamando-o de: “O Cara do Sistema”. É isso mesmo! Respeitando a relevância do cargo, o que nós, uma empresa fornecedora de ERP percebemos é o quanto faz falta este profissional em muitas indústrias, independentemente do seu porte. Ele pode ser CIO, contudo pode também ser um agente interno, mas que tenha dentre suas responsabilidades uma “tremendamente importante” que é a de cuidar do sistema (do ERP e outras aplicações integradas) da empresa.  Este cuidado está alinhado a adaptação dos processos da companhia para as inovações que o software trás bem como novas estratégias, procedimentos e culturas.

Então o porquê deste artigo? Simples, temos em todas as indústrias pelo menos um software que dê suporte a operações, nem que seja para emissão de notas fiscais, o que em suma é muito raro, pois na prática, as indústrias mesmo pequenas, utilizam tais sistemas para muito mais que a emissão de documentos e aí o enfoque que quero dar: Hoje o empresário contrata o software, mas em muitos casos, se isenta de todo o processo que ocorre posterior a esta contratação, sem eleger um responsável “forte” por dar sustentação ao todo: implantação, manutenção e resguardo das informações e do uso no pós-implantação.

Experimentamos situações que evidenciam a importância de se ter tal agente interno e presenciamos casos em que existe o profissional de TI, mesmo tendo auxiliares no setor, estão todos preocupados com a manutenção dos computadores, os sistemas operacionais, a internet, a segurança da rede e o backup. Mas e o sistema? O que os usuários estão fazendo e como o estão usando? Quem está olhando pelo conteúdo imputado? O que estão pedindo ao fornecedor do sistema é pertinente? As solicitações estão alinhadas a processos e regras estabelecidas para sua indústria?

Tais questionamentos refletem diretamente nas demandas suportadas pelo fornecedor do sistema. Entendemos que este profissional da tecnologia, ou outro agente interno, deve estar alinhado tanto a questões da infraestrutura de TI quanto a de estratégias de negócios da empresa. Este especialista é um agregador de valor importante na tomada de decisões baseadas em dados, indicadores e informações provenientes do software, que é nosso mundo.

Por estarmos frente a estas questões, nos preocuparmos com a relação cliente e fornecedor na área de tecnologia e características pertinentes ao perfil do profissional CIO que atualmente são esperadas no mercado, contribuem essencialmente para uma boa gestão e sucesso da permanência do software dentro da indústria.

O CIO ou, o nosso “Cara do Sistema”, é o profissional concernente que atua como ponte entre a alta direção, colaboradores das equipes e fornecedores. Por ser este interlocutor, a boa comunicação deste garante sucesso na gestão e isso vai muito além de saber falar.

É vital para o bom desempenho da sua função e para saúde das demais áreas, que ele tenha uma comunicação clara, amigável, e que faça entender a mensagem que deseja transmitir, garantindo que seja repassada aos demais, a estratégia da empresa, os processos e os resultados que ela espera alcançar.

Com uma comunicação efetiva e congruente é possível inspirar e estimular a produtividade do time, promover um bom relacionamento entre os membros de sua área e de outros setores. Isto se estende efetivamente a comunicação com o fornecedor do software de gestão aplicado. O desafio está em saber explicar, argumentar e detalhar de forma clara a necessidade, promovendo um trabalho satisfatório e eficiente dos dois lados.

Além de saber transmitir o que se espera, o papel do diretor de TI ou o “Cara do Sistema” dentro dos estabelecimentos está voltado essencialmente em saber gerir pessoas, equipes e mudanças.  Diante de um cenário em constante transformação e evolução das tendências tecnológicas, as capacidades esperadas deste profissional é que seja de saber acompanhar e fomentar estas mudanças trazendo para seu time estratégias que agregam valor alinhadas às necessidades do negócio e às tendências de mercado.

Saber aproveitar o que de melhor o sistema oferece favorece ao profissional de todas as áreas um excelente conhecimento do próprio segmento que a sua empresa atua, como são seus processos (internos/externos), suas estratégias e metas estabelecidas, para então buscar aprimoramentos não apenas para no sentido de suprir as demandas operacionais, mas para alinhar os objetivos da organização com a excelência operacional com apoio da tecnologia.

Conhecer de forma ampla o funcionamento da companhia e de seus processos, incluindo soluções do ERP adquirido, faz do CIO um profissional protagonista que tem condições de atuar como consultor e cocriador de negócios além de compreender as necessidades de cada área promovendo melhorias e soluções.

Ter o conhecimento e focar nas melhorias, nas mudanças incrementais dos procedimentos e na inovação permite que empresa invista no que há de mais moderno e busque otimizar seus processos lado a lado ao fornecedor do sistema. Estas mudanças e este relacionamento refletem diretamente nos resultados do negócio, podendo gerar ganhos em eficiência, aumento de produtividade e fortalecimento do desenvolvimento geral da empresa.

A aquisição de recursos tecnológicos que aproveitem todo o potencial da área da Tecnologia da Informação em busca de resultados e soluções aprimoradas continuam sendo uma das tarefas importantes do CIO, mas deve se refletir que tais decisões precisam ser tomadas baseadas em informações e métricas reais que podem e devem ser absorvidas pelas ferramentas do software atuante. Com informações coerentes em mãos é possível avaliar a evolução e saúde da empresa para tomar as melhores decisões em relação aos recursos de TI e a produtividade da própria equipe. O monitoramento de indicadores de desempenho é uma função responsável pois revela um departamento de TI promissor que estabelece, acompanha e avalia o desempenho e dados da empresa ao longo do tempo.

Sem abandonar o DNA tecnológico, o diretor de TI deixou de ser apenas o “Cara de TI” e hoje exerce um papel mais estratégico dentro da organização. Conhece profundamente o segmento de mercado que a sua empresa está inserida e é capaz de tirar o máximo proveito das tecnologias que possui gerando maior valor para sua empresa. O perfil deste profissional muda paradigmas e é a oportunidade de se tornar fundamental tanto para a empresa quanto para o fornecedor do ERP adquirido. A função do CIO muda de foco em Tecnologia para foco no Gerenciamento de Informação e desta forma, os CIOs ou os “SUPER Caras do Sistema” poderão fazer com que a área de TI deixe de ser apenas um departamento de suporte a operações e passe a direcionar a essência para as soluções disponíveis e/ou quais investimentos precisam ser feitos para aprimorar os resultados.